29/03/2011

A bonança depois da tempestade

O Biscoito ajudou-me a descascar os ovos e a desfiar o bacalhau. O Outro Biscoito deu o pão quase todo à Sutra e foi lavando a loiça. Puseram a mesa mais ou menos, comeram a sopa (o Outro Biscoito repetiu) e torceram o nariz à jardineira (eu também, confesso). Levantaram a mesa mais ou menos e viram o resto dos desenhos animados. Tive uma luta de espadachim com o Outro Biscoito, da qual saí gravemente ferida num dedo. O Biscoito andava entretido a enfiar paus de bambu nos orifícios faciais. Não se ouviu um grito, uma guerra, um choro. O marido chegou a casa mais bem disposto.

28/03/2011

Auto de Fé

Guerra aberta à PS3.
Essa consola é o demónio, transforma os meus filhos em seres desprezívies, violentos e egoístas e foi arracada com todos os fios atrás. Estou à espera do momento em que a possa queimar na praça juntamente com os comandos e os jogos.

Os homens estão de mau-humor, eu estou bem, obrigada.

23/03/2011

Selvagens

Diz quem não sabe do que fala que eu estou a criar dois selvagens mal-educados, uns horrores.
Digo eu que sei muito bem, que os Biscoitos são uns selvagens sim senhora e que assim os criei e continuarei a criar.  Uns selvagens que vestem o que querem e andam nus pela casa, comem o que querem à hora que querem, dormem na cama que querem e acham que eu sou muito quentinha, se penduram em mim e nos outros até conseguirem o que querem e berram pela janela para quem os quiser ouvir. Uns selvagens.
Digo eu também que estes selvagens dizem por favor e obrigado, com licença se querem passar e perdão quando arrotam, pedem desculpa e despedem-se com passou-bens e beijinhos consoante o interlocutor. Estes selvagens atiram-se à mãe ou ao pai com beijos e abraços sem razão aparente, choram de saudades dos avós e dão comida e àgua à Sutra e pedem licença para se levantar da mesa e levam o prato para a cozinha.
A boa-educação entranha-se de pequenino.

13/03/2011

08/03/2011

Carnaval

Tenho um Darth Vader e um Dragão à espera que acabe de chover.
Este ano não há corso para ninguém.